sábado, 24 de outubro de 2009

PALAVRA FIANDEIRA INTERNACIONAL - 2ª EDIÇÃO


PALAVRA FIANDEIRA INTERNACIONAL

“Mariposa de Papel” de Maria Dolores Coronel Salas
ESTA OBRA ILUSTRA UM POEMA DE ROCÍO L' AMAR



Em seu bojo um beijo de poejo? Um azul pequeno amor de miosótis? Ou o coração é imenso e sofre pelas coisas grandes que passam diante do olhar atento e solitário do poeta? Tanto se poderia dizer e tanto se quer dizer. Está no ar a segunda edição de Palavra Fiandeira, uma página por onde passam poetas, escritores, artistas, pessoas que, de uma forma ou de outra contribuem para a beleza e a sinceridade do mundo. E o mundo se faz na palavra. Se o verbo desponta, surge o mundo, e rompe-se a mudez. Palavra Fiandeira, artesã, buscando os seres que como anterozóides após a chuva riscam o cotidiano das coisas que se acomodam na ausência dos dizeres. Com vocês, Palavra Fiandeira Internacional!




No Chile vive alguém assim. Rocío L´Amar, poeta, escritora, jornalista, e muito mais, uma pessoa preocupada com a história, com a identidade, com a cultura, recolhendo os fragmentos, os estilhaços e as fortalezas. Seu coração entristece diante das guerras por soberania, e ela contempla em sua angústia versada a fragilidade da soberania arrancada a sangue. A fome, a miséria dos povos, tudo isso a deixa com a alma atrelada ao triste, mas não é amarga, não tornou-se boldo, pois tem a sua resistência e sabe que o poeta é insondavelmente dotado de força transformadora. Aqui ela traça a sua "Geografia Poética", e nos abre trilhas para a reflexão. Então, que nos fale Rócio L´ Amar.




1. Quem é Rocío L´Amar?


Sou mulher/poeta que pretende fecundar terras desconhecidas, com intrepidez, com ardimento, no possível apalavrar-me desordenando a sintaxe dentro de minhas próprias interrogações, onde a razão é relegada a uma mínima expressão.

Soy mujer/poeta que pretende fecundar tierras desconocidas, con intrepidez con ardimiento; en lo posible apalabrarme desordenando la sintaxis dentro de mis propias interrogantes, donde la razón es relegada a una mínima expresión.


2. Escritora, Editora, Crítico Literário, Gestora Cultural, Professora de oficinas de Literatura, Presidenta da "Sociedade Escritores San Pedro de la Paz", Chile; Como consegue conciliar tantas atividades e compromissos?

Sendo disciplinada, em rigor, oxigenando-me diariamente em cada aposta, em cada projeto, em cada proposta pessoal ou coletiva, porque a literatura é minha paixão plena de "loucuras inteligentes". Assim mesmo, é uma questão de compromisso comigo mesma, e com o fazer cultural do meu país. As aprendizagens/ conhecimentos/ talentos são para se compartilhar. Não para ficarem sob chave. Também a sociabilidade é muito importante quando tomo conhecimento de que existem outras pessoas que pensam e sentem como a gente.

Siendo disciplinada, en rigor, oxigenándome a diario en cada apuesta en cada proyecto en cada propuesta personal o colectiva porque la literatura es mi pasión llena de “locuras inteligentes”. Asimismo es una cuestión de compromiso conmigo misma, y con el quehacer cultural de mi país. Los aprendizajes/conocimientos/talentos son para compartirlos, No para tenerlos bajo llave. También la sociabilidad es muy importante sabiendo que existen otras personas que piensan y sienten igual que una.



3. Seu espaço cultural e virtual, "IDENTIDADE E MEMÓRIA" , como una hemeroteca, considera prover informação - de ontem e de hoje - e autores e acontecimentos no campo
da literatura universal, mantendo publicações periódicas. Fale-nos de 'Identidade e Memória".

É útil contar com um espaço que investe na memória exibindo atividades, opiniões, acontecimentos na área da literatura universal.

Atores principais, autores, formadores de opinião, críticos concordantes ou não com os modelos atuais e ou as velhas vanguardas nos distintos gêneros que abarcam a literatura.
Sendo assim, este espaço em internet é uma biblioteca, um arquivo, uma estante onde – aos poucos – vou pondo referências, pormenores, datas de interesses para aqueles insaciáveis leitores. Porque eu também sou uma ativa e desejosa leitora e difusora da literatura.

Entendendo-se por leitura o ato de construir por si mesmo o sentido de uma mensagem, uma mensagem que forma e se atualiza ao ser tocada pelo leitor.


Es útil contar con un espacio que custodia la memoria exhibiendo actividades, opiniones, acontecimientos en el área de la literatura universal.

Actores principales/autores/opinantes/ críticos coincidentes o no con los modelos actuales y/o las viejas vanguardias en los distintos géneros que enmarca la literatura.

Siendo así, este espacio en internet es una biblioteca un archivo una estantería donde –poco a poco- voy colocando referencias, pormenores, datos de interés para aquellos insaciables y comprometidos lectores. Porque yo también soy una activa y ganosa lectora, y difusora de la lectura. Entendiéndose por lectura el acto de construir por sí mismo el sentido de un mensaje, un mensaje que toma forma y se actualiza al ser tocado por el lector.

4. Poderia nos expor a "Geografia Poética" de ontem e de hoje, de Rocío L´Amar? Trace para os nossos leitores a sua trajetória como poetisa.

Se algo posso dizer de minha geografia poética é que tenho procurado que seja um mundo animado, abarrotado, repartido em fases, ciclos, estações, uma vida de oferendas dedicada à senhorita personalidade, quero dizer, a poesia.

Postergações para minha família, esquecidos de citações pessoais, FALTAS TODAS, entre outras. Admitindo-se que escrevo desde os 11 anos. Alguns viram minha ocupação, minha tarefa como um "defeito de fábrica". Entretanto, eu, satisfeita de minha faculdade, o vejo só como um talento, uma necessidade
exigente, uma obrigatoriedade que agradeço a Deus. Sou feliz escrevendo.

Se a felicidade tivesse um rosto, teria o meu, ainda que soe como vaidade.


Então falar – pessoalmente, a viva voz – de minha trajetória nas letras, ufa!, não é e nem jamais será meu objetivo e meu afinco, porque o mais sensato e prudente seria que outros, vocês, falassem de meu trabalho escritural.

Si algo puedo decir de mi geografía poética es que he procurado que sea un mundo animado, abarrotado, colmado de fases, ciclos, estaciones, una vida de ofrendas dedicada a la señorita personalidad, es decir, la poesía.

Postergaciones para mi familia, olvidos de citas personales. FALTAS TODAS, entre otras. Admitiendo que escribo desde los 11 años de edad. Algunos han visto mi ocupación mi tarea como un “defecto de fábrica”. Sin embargo, yo, satisfecha de mi facultad, lo veo sólo como un talento una necesidad exigente una obligatoriedad que agradezco a Dios. Soy feliz escribiendo.

Si la felicidad tuviera un rostro, tendría el mío, aunque suene a vanidad.

Entonces hablar -personalmente, a viva voz- de mi trayectoria en las Letras, uuffff, no es y será nunca mi afán ni ahínco, porque lo más sensato y prudente sería que otros, vosotros, hablaran de mi trabajo escritural.


5. É visível em sua poesia um comprometimento com a vida, com as batalhas que o ser humano trava, e finalmente com a Liberdade. Como você vê a força da poesia no mundo atualmente? A Poesia ainda é necessária?



A poesia sempre será necessária, em todos os tempos. Necessária porque nos humaniza, nos faz retornar à essência do ser humano, reconhecendo que na atualidade, – segundo os acontecimentos mundiais –, foi-se perdendo a sensibilidade/ afetividade/ pureza do homem e mulher: invertem-se os valores, confundem - se os papéis. A vida gira em um ambiente competitivo, em toda extensão da palavra. Não importa o preço.



La poesía siempre será necesaria en todos los tiempos. Necesaria porque nos humaniza, nos hace retornar a la esencia del ser humano, reconociendo que en la actualidad -según los acontecimientos mundiales- se ha ido perdiendo la sensibilidad/afectividad/pureza del hombre y mujer, se trastocan los valores, se confunden los roles. La vida gira en un ambiente competitivo, en toda la extensión de la palabra. No importa el precio.



6. Seu trabalho está envolvido por um sentimento universal de ligação com os poetas e artistas que clamam pela liberdade em suas artes, como surgiu em Rocío L´Amar esse sentimento universal de amor pelos poetas?



Porque sou poeta. Porque os poetas nos buscamos e nos encontramos. Porque falamos o idioma da poesia em liberdade. Porque há química. E às vezes essa química se dá pelo poeta mesmo como pessoa, e outras, pelas obras, ou porque outro verso se nos há pegado na pele. Nós, poetas, temos um certo grau de empatia através do qual nos colocamos na situação do outro e podemos entender a dor da felicidade que experimentam os demais. Como um instinto adicional denominado sensibilidade que nos permite muitas vezes criar impossíveis.



Porque soy poeta. Porque los poetas nos buscamos, y nos encontramos. Porque hablamos el idioma de la poesía en libertad. Porque hay química. Y a veces esa química se da por el poeta mismo como persona, y otras por las obras, o uno que otro verso que se ha pegado en nuestra piel. Los poetas tenemos un cierto grado de empatía a través del cual nos colocamos en la situación del otro y podemos entender el dolor o la felicidad que experimentan los demás. Como un instinto adicional denominado sensibilidad que nos permite muchas veces crear imposibles.



7. Há também, em sua arte e em seu fazer um sentimento de união para com os povos de Latino América, isso é uma coisa muito forte. Fale-nos sobre como vê essa força poética, e como anda, para você, a produção da poesia nos países de América Latina?


Se vê fortalecidade e garantida pela história mesma do continente. O intercâmbio entre poetas, narradores, dirigentes e líderes culturais, alargando fronteiras. Dialogando. Construíndo, analisando e intercambiando experiências. A literatura de América Latina em seu conjunto é uma ideografia plena de tradições. Alguém disse que é uma escritura que pensa e processa a problemática do homem latinoamericano e sua redescoberta no tempo presente, porque predomina a necessidade do desenvolvimento próprio, através da mágica e revolucionária possibilidade da poesia.



Se ve fortalecida y garantizada profundamente por la historia misma del continente. El intercambio entre poetas, narradores, dirigentes y líderes culturales, ensanchando fronteras. Dialogando. Construyendo, analizando e intercambiando experiencias. La literatura latinoamericana en su conjunto es una ideografía llena de tradiciones. Alguien dijo que es una escritura que piensa y procesa la problemática del hombre latinoamericano y su redescubrimiento en el tiempo presente, porque predomina la necesidad de desarrollo propio, a través de la posibilidad mágica y revolucionaria de la poesía.




8. Conte-nos como está a produção de Literatura Infantil no Chile.

Segundo minha apreciação, Gabriela Mistral, criadora da poesia infantil, contos, cirandas, canções; Marcela Paz, criadora de "Las Histórias de Papelucho"; Marta Brunet, autora de "Cuentos para Marisol" marcam um antes e um depois nesse gênero literário. O antes está sinalizado pela excessiva valorização da literatura infantil estrangeira. O depois nos permitiu vincularmos com nossa identidade, com nossa maneira de usar o idioma castelhano, quero dizer, temáticas mais próximas e familiares para as crianças.

Sabido é – fazendo um pouco de história – que a literatura infantil em toda América Latina nasce no século XIX com livros didáticos distribuídos nas escolas. No Chile, o primeiro livro foi "Cartilha do padre Zárate", em 1821, que ensinava os pequenos a ler, através de sinceras frases de cunho religioso ou moralizante. Logo viriam os livros com lendas, obras teatrais, poemas patrióticos. Mais tarde surgiu a revista "El Peneca" com fábulas, lendas, historietas, contos chilenos, aparecendo publicações de Gabriela Mistral, Marcela Paz, Alicia Morel, entre outros. A partir de "El Peneca", se aprimorou o gosto pela literatura infantil. Escritores como Augustin Edwards, que em 1930, publicou "Aventuras de Juan Esparraguito ou o Menino Legume". Marta Brunet , autora de "Contos para Marisol", em 1930.

Ernesto Montenegro, "Contos de meu tio Ventura", em 1930. Gabriela Mistral, Marta Brunet, Marcela Paz, Hernán del Solar, obtiveram o Prêmio Nacional de Literatura por suas obras dedicadas à infância.

Según mi apreciación, Gabriela Mistral, creadora de poesía infantil, cuentos, rondas, canciones; Marcela Paz, creadora de “Las historias de Papelucho”; Marta Brunet, autora de “Cuentos para Marisol”, marcan un antes y después en este género literario. El antes está señalado por la excesiva valoración de la literatura infantil extranjera. El después nos ha permitido vincularnos con nuestra identidad, con nuestra manera de usar el idioma castellano, es decir, temáticas más cercanas y familiares para los niños.

Sabido es -haciendo un poco de historia- que la literatura infantil en toda Latinoamérica nace en el S.XIX con libros didácticos distribuidos en escuelas. En Chile, el primer libro fue “Cartilla del Padre Zárate”, en 1821, que enseñaba a leer a los niños, a través de sencillas frases de corte religioso o moralizante. Luego vendrían libros de leyendas, obras teatrales, poemas patrióticos. Más tarde apareció la revista “El Peneca”, con fábulas, leyendas, historietas, cuentos chilenos, apareciendo publicaciones de Gabriela Mistral, Marcela Paz, Alicia Morel, entre otros. A partir de El Peneca, se educó el gusto por la literatura infantil. Escritores como Agustín Edwuards, en 1930, publicó “Aventuras de Juan Esparraguito o el niño legumbre. Marta Brunet, autora de Cuentos para Marisol, en 1930. Ernesto Montenegro, Cuentos de mi tío Ventura, en 1930.

Gabriela Mistral, Marta Brunet, Marcela Paz, Hernán del Solar obtuvieron el Premio Nacional de Literatura por sus obras dedicadas a la infancia.

9. Você administra vários blogs. Como vê a importância dessa comunidade virtual na difusão da Literatura?


As redes sociais, por história, sempre permitiram divulgar interesses comuns, ideias, sabedoria, e também ignorância. Desde que apareceu Internet, homens e mulheres de distintos lugares do mundo temos podido nos relacionar ultrapassando as fronteiras físicas ou idiomáticas. Criam-se as bibliotecas eletrônicas que armazenam gigantescas quantidades de informações. Sites, blogs, e-mails, Redes Sociais literárias, comunidades que permitem o intercâmbio literário, e aberta amizade. O Chat, um envolvimento em tempo real, enfim: praças virtuais para todos os gostos e complacências.


Só tenho três observações:

1. O plágio é um inimigo potencial.
2. A frivolidade e a ligeireza com se abordam algumas publicações.
3. A linguagem ofensiva e mal falada.

Las redes sociales, por historia, siempre han permitido divulgar intereses comunes, ideas, sabiduría, y también ignorancia. Desde que apareció Internet, hombres y mujeres de distintos lugares del mundo hemos podido relacionarnos sobrepasando las fronteras, físicas o idiomáticas. Se crean las bibliotecas electrónicas que almacenan gigantescas cantidades de información. Sitios Web. Blogs. Correos electrónicos. Redes sociales literarias, comunidades que permiten el intercambio literario, y abierta amistad. El Chat, un enlace en tiempo real, en fin, plazas virtuales para todos los gustos y complacencias. Sólo tengo tres observaciones:

1- El plagio es un enemigo potencial.
2- La frivolidad y/o ligereza con que se abordan algunas publicaciones.
3- El lenguaje ofensivo y malhablado.


10. LETRALIA é uma bela e autêntica revista de literatura. Como vê a questão do futuro do livro e das publicações de papel?



Boa pergunta. Só posso dizer que os românticos ainda não temos data para o livro caducar. Esticaremos o mais que pudermos o tempo, para desfrutar palpando o portentoso e inestimável corpo do livro em suporte papel. (Seguramente até que já não hajam mais árvores sobre a terra).

Buena pregunta. Sólo puedo decir que los románticos aún no tenemos fecha de caducidad. Que estiraremos lo más que se pueda el tiempo para disfrutar palpando el cuerpo portentoso e inestimable del libro en soporte papel. (Seguramente hasta que ya no hayan más árboles sobre la tierra).



11. Para muitos filósofos desde a antiguidade, a Felicidade foi um tema recorrente, e para muitos poetas, também. Sobre a felicidade, diversos são os conceitos. O que é, para Rocío L´Amar, a felicidade?

Difícil definição. Complexa. Questionável como meta ou fim. Entretanto, só posso dizer que são pequenos momentos, como o nascimento de meu filho biológico/carnal e meus filhos de papel/virtual. Não obstante, quero citar o pensador John Locke, que disse: "Os homens esquecem sempre que a felicidade humana é uma disposição da mente e não uma condição das circunstâncias". Observação que compactuo.


Difícil definición. Compleja. Cuestionable como meta o fin. Sin embargo sólo puedo decir que son pequeños momentos, como el nacimiento de mi hijo biológico/carnal y mis hijos de papel/virtual. No obstante quiero citar al pensador John Locke, que dijo “Los hombres olvidan siempre que la felicidad humana es una disposición de la mente y no una condición de las circunstancias”. Observación que comparto.



12. Poderia nos falar sobre como é vista ou conhecida a Literatura brasileira no Chile?

Ainda quando na 27ª Feira Internacional do livro de Santiago do Chile, que aconteceu em 2007, foram convidados 15 autores brasileiros, entre músicos, cinema, teatro, artistas plásticos, poetas, e ensaistas, destacando-se a participação de Affonso Romano de Santanna, Carlos Nejar, e Moacir Scliar. Penso que no Chile falta mais incentivo editorial para se editar autores braileiros, razão pela qual a literatura brasileira é pouco conhecida por aqui. Salvo por esses honrosos eventos. Ainda que se saiba que a literatura brasileira passa por uma riqueza e dinâmica enorme.

Aún cuando en la 27ª Feria Internacional del Libro de Santiago de Chile, llevada a cabo el año 2007, se invitaron a 15 autores brasileños, entre músicos, cine, teatro, plástica, poetas y ensayistas, destacando la participación de Alfonso Romano de Santanna, Carlos Nejar y Moacyr Sciliar, pienso que en Chile falta más incentivo editorial para editar a autores brasileños, razón por la cual la literatura brasileña poco se conoce. Excepto por estos honrosos eventos. Aunque es sabido que la literatura de Brasil pasa por una riqueza y dinámica enorme.


13. Qual a importância dos prêmios literários na carreira de um autor?

Não sei se são importantes, porém ajudam a tonificar a vida e as finanças de um poeta/escritor.

Contudo, minha paixão/ofício é escrever. Os prêmios e a critica literária chegam por acréscimo. Pessoalmente os prêmios não me pagam os sonhos nem vou atrás deles. No entanto, bem-vindos sejam. MInha folha de vida literária disse que tenho 23 prêmios em poesia em nível regional, nacional e internacional. (Oxalá não se perca a memória!).

No sé si son importantes, pero ayudan a tonificar la vida y las finanzas de un poeta/escritor. Sin embargo mi pasión/oficio es escribir, los premios y la crítica literaria llegan por añadidura. Personalmente los premios no me quitan el sueño ni voy tras de ellos. No obstante, bienvenidos sean. Mi hoja de vida literaria dice que tengo 23 premios en poesía a nivel regional, nacional e internacional. (Ojalá no se pierda la memoria).

14. Diga-nos um romance ou um livro que influenciou a sua vida.

Mais do que um livro, o incentivo de meu pai porque lera poesia universal. E o gancho o encontrei na poesia de Mário Benedetti, entre outros.

Más que un libro, el incentivo de mi padre porque leyera poesía universal. Y el anzuelo lo encontré en la poesía de Mario Benedetti, entre otros.


15. Qual o futuro da blogsfera? Ou seja, o blog continuará como um instrumento de divulgação das artes, entre tantos, e como um espaço de auto-publicação?

Seguramente. Imagino que no futuro haverá outros espaços virtuais mais eficazes, mais liberdade de expressão, mais universos potencialmente proveitosos que benefeciem a auto-difusão dos criadores.

Seguramente. Imagino que en el futuro habrá otros espacios virtuales más eficaces, más libertad de expresión, más universos potencialmente provechosos que beneficien la auto-difusión de los creadores.


16. O avanço da globalização pode de fato destruir culturas regionais? É possível uma globalização onde sejam respeitadas as culturas de cada povo?

Este fenômeno não é nada recente. Se recolhem ambíguas posturas quanto as suas vantagens e desvantagens. Imagens solidárias por um lado e, por outro, favoritismo até a formação de um pensamento único. Porém, mais além das suspeitas, – união de mercados, cultura sem fronteiras –, as vantagens são para países dominantes e as desvantagens, para os subdesenvolvidos.

Há um tempo chegou em minhas mãos um artigo que dizia que "o processo de globalização cultural tem inovado penetrando cada vez mais nos espaços de socialização e o faz através de políticas sociais de cunho compensatório orientadas aos mais vulneráveis setores, porém descartando todas as transformações das estruturas violentas geradas pelo mercado. Da mesma maneira, a revolta educativa implementada pelos organismos internacionais (como a lei de educação federal que fracassou em Espanha), e ademais, de reorientar a educação unidirecionalmente até um mercado, produz uma profunda reversão do espaço socializador educativo, impulsionando subjetividades competitivas, afogando a capacidade crítica de pensar, postergando transformações pedagógicas, fortalecendo o avanço até a insignificância e adotando um conformismo generalizado consolidando assim as relações de dominação hierárquica". (Lamento não recordar o nome do autor. Peço desculpas).


Então podemos advertir a envergadura que carrega a formação de um pensamento único e o risco que implica em seu aspecto sóciocultural, desarticulando um modo própria de vida, destruindo códigos, valores e tudo aquilo que constitui nossa cultural local.


Este fenómeno no es nada reciente. Se recogen posturas ambiguas en cuanto a sus ventajas y desventajas. Imágenes solidarias por un lado y, por otro, favoritismo hacia la formación de un pensamiento único. Pero mas allá de las sospechas, - unión de mercados, cultura sin fronteras-, las ventajas son para los países dominantes y las desventajas son para los países subdesarrollados.

Hace un tiempo atrás llegó a mis manos un artículo que decía que “el proceso de globalización cultural ha innovado penetrando cada vez más en los espacios de socialización y lo hace a través de políticas sociales de corte compensatorio orientadas a los sectores más vulnerables, pero descartando toda transformación de las estructuras violentas generadas por el mercado. De la misma manera la reforma educativa implementada por los organismos internacionales (como ser la ley de educación federal que viene de fracasar en España) y que además de reorientar la educación unidireccionalmente hacia el mercado, produce un profundo trastocamiento del espacio socializador educativo, impulsando subjetividades competitivas, ahogando la capacidad critica de pensar, postergando transformaciones pedagógicas, fortaleciendo el avance hacia la insignificancia y adoptando un conformismo generalizado consolidando así las relaciones de dominación jerárquica.” (Lamento no recordar el nombre del autor. Pido disculpas).

Entonces podemos advertir la envergadura que conlleva la formación de un pensamiento único y el riesgo que implica, en su aspecto social cultural, desarticulando un modo de vida propio, destruyendo códigos, valores y todo aquello que constituye nuestra cultura local.



17. Diga algo que muito a entristece no mundo.

As guerras por soberania. O terrorismo. A fome e as misérias dos povos chamados de terceiro mundo. O privilégio dos avantajados. Os recursos mal distribuídos. As ditaduras. As desculpas democráticas. O abuso do poder. Apropriação territorial. Desaparecidos em regimes de autoritarismo. A escravidão mental. A infibulação. A violação aos direitos humanos. A violência física e psicológica contra a mulher e as crianças. As drogas ilícitas. Insegurança cidadã. A falta de respeito pela diversidade. Analfabetismo. A deplorável saúde e educação pública. A falta de igualdade de oportunidades. Lutas de classes. O desprezo pelas etnias. A necessária solidariedade. Politicas sociais deficientes. O maltrato aos animais. As fronteiras. Entre outros, sobrepassa a minha razão.


Las guerras por soberanía. El terrorismo. El hambre y las miserias de los pueblos llamados del Tercer Mundo. El privilegio de los aventajados. Los recursos mal distribuidos. Las dictaduras. Las excusas democráticas. El abuso de poder. Apropiación territorial. Desaparecidos en regímenes de autoritarismo. La esclavitud mental. La infibulación. La vulneración a los Derechos Humanos. La violencia física y psicológica hacia la mujer y los niños. Las drogas ilícitas. Inseguridad ciudadana. La falta de respeto por la diversidad. Analfabetismo. La deplorable salud y educación pública. La falta de igualdad de oportunidades. Luchas de clases. El desprecio por las etnias. La menesterosa solidaridad. Políticas sociales deficientes. Maltrato animal. Las fronteras. Entre otros, sobrepasa la/mi razón.


18. Deixe uma mensagem aos nossos leitores.


A necessidade de difundir nossas criaçoes, de utilizar e administrar espaços virtuais disponíveis em Internet poderia voltar a ser um problema. A proliferação de bases de dados orientados aos descobrimentos fáceis e benéficos para particulares e grupos aumenta a insegurança de plágio e assim mesmo a privacidade. Hoje em dia não apenas se usa Internet para resolver uma informação que nos é necessária, mas, – como um mercado de pulgas – nos proporciona produtos imagináveis, bombardeando-nos. Talvez as viagens à biblioteca sejam algo do passado, porém os perco.

Muito teremos que aprender. Sobretudo para o poeta/escritor solitário.

La necesidad de difundir nuestras creaciones de utilizar y administrar espacios virtuales disponibles en Internet podría volverse un problema. La proliferación de bases de datos orientados a los descubrimientos fáciles y beneficiosos para particulares y grupos aumenta la inseguridad de plagio, y asimismo la privacidad. Hoy en día no sólo se usa Internet para resolver una información que nos es necesaria sino –como un mercado de pulgas- se nos proporciona productos inimaginables, bombardeándonos. Tal vez los viajes a la biblioteca sean algo del pasado, pero los añoro.

Mucho tenemos que aprender. Sobre todo para el poeta/escritor solitario.


Entrevista e tradução: MARCIANO VASQUES
Veja esta entrevista na edição da revista virtual PALAVRA FIANDEIRA.

3 comentários:

  1. Marciano, GRACIAS, agradezco felizmente el trabajo que has hecho con la entrevista, sin el cual no habría sido posible divulgar mi pensamiento, mi gestión cultural en pro de mi país, aún cuando el 20 de octubre cumplí 20 años desde que publiqué mi primer libro, y Chile -como parnaso literario- poco me conoce por el machismo imperante y la vieja literatura que aún persiste en seguir viva ...

    sólo una observación (no lo puedo evitar por mi perfeccionismo:

    ..."Hoy en día no sólo se usa Internet para resolver una información que no es necesaria sino –como un mercado de pulgas-"...

    debe decir: ..."Hoy en día no sólo se usa Internet para resolver una información que ( aquí faltó una S: nos)es necesaria sino –como un mercado de pulgas-"...

    nuevamente GRACIAS, abrazobeso de luz,
    Rocío L'Amar/ Chile

    Ah, y envíame en español la introducción a la entrevista... jajajaja, no sé portugués

    ResponderExcluir
  2. GRACIAS MARCIANO POR PRESENTAR A ROCIO L´AMAR.
    UNA PERSONA, QUE ENALTECE A LA MUJER, CON SU CULTURA.
    ME HA ENCANTADO LA ENTREVISTA.
    UN ABRAZO PARA LOS DOS, DESDE VALENCIA.

    ResponderExcluir
  3. Maravilha o seu cantinho.
    Na intenção de divulgar o meu trabalho, cheguei até você.
    Gostei muito do seu espaço. Eu não estou podendo ler tudo de uma vez porque a tela do computador atrapalha um pouco a minha visão, mas certamente voltarei mais vezes. O meu oftamologista pediu que desse um tempo da telinha... e eu sou fraca ?
    O meu território já está demarcado.
    Convido a dar uma espiada em "FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER.." ( o seu cantinho de leitura), em:
    http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Terei sempre uma história para contar.
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir

Pesquisar neste blog